Você pode ter o perfil da sua liderança traçado por uma contabilidade [na_cidade] – Parte II

Vários perfis de liderança podem ser traçados por meio de um serviço de contabilidade , confira o segundo texto sobre o tema e outros perfis

Como promessa é dívida, chegamos com o segundo texto dos artigos que irão falar sobre a série de perfis de lideranças em uma empresa e como esses perfis podem ser traçados através de serviços de contabilidade . Você, como líder de uma empresa, precisa estar focado em qual perfil de liderança se encaixa melhor à sua equipe de trabalho, sua empresa e o mercado, além de saber o que precisa ser mudado, o que pode agregar à sua empresa, passando diretamente pela sua postura, ou pela mudança dela. Confira, então, a segunda parte da série de artigos sobre o tema liderança e saiba como a contabilidade pode ser uma mão na roda nessa sua busca pela postura perfeita como líder.

Workaholic

Caso você não saiba o que significa workaholic, é um termo em inglês que traduzido representa o sujeito “viciado em trabalho”. O líder workaholic é movido por resultados e não se importa de trabalhar muitas horas por dia, colocando em risco até a sua qualidade de vida. Para ele, a qualidade de vida se traduz em resultados positivos.

É um cara movido por metas e desafios, o problema é que o líder workaholic tende a cobrar a mesma postura dos seus liderados, entretanto, tudo em excesso faz mal, e com o trabalho não é diferente.

Enquanto por um lado, os resultados costumam motivar a equipe, por outro, um líder desse perfil pode distorcer limites pessoais.

Cabe a contabilidade traçar o perfil da empresa e dos funcionários para medir o nível de aplicação que a empresa precisa para combinar as ações em uma medida que os resultados surjam sem conflitos internos.

Paternal

O líder paternal preza sempre por um relacionamento familiar entre os seus liderados, para isso a sua referência geralmente é carinhosa, conselheira e agregadora. Contudo, o ônus dessa postura de liderança é a produtividade, já que a tendência de um líder paternal é se preocupar muito mais com o fator humano do que com os números da empresa, muito porque ele não sabe cobrar e tem medo de passar uma impressão negativa, quando passa da sua postura natural de busca por aplicação.

Muitas vezes, a postura do líder paternal é vista como louvável, mas no mundo corporativo, independentemente de algo ser moralmente positivo, o resultado é o que move. Se de um lado, a postura do líder com perfil mais de paizão pode agregar a sua equipe trabalhando para si, por outro a sua postura mais liberal pode deixar alguns liderados relaxados.

Cabe, então, a contabilidade , ao identificar essa postura, bem como a forma em que a empresa, liderados e mercado tem respondido, trabalhar uma postura agregadora, mas sem esquecer da postura, a esse líder.

Treinador

Assim como líder de postura mais paterna, o líder treinador tende também a prezar majoritariamente o relacionamento pessoal, mas, no seu caso, o intuito é visando o desenvolvimento pessoal do liderado.

O líder com características de professor e treinador, geralmente é alguém que preza pelo autoconhecimento e tenta levar isso à sua equipe. Porém, o seu grande problema está em achar que todos os conflitos e obstáculos podem ser desenvolvidos com treinamento e capacitação, como se isso fosse um comprimido que remediasse todos os problemas da empresa, o que realmente pode acontecer, mas curando as dores num curto prazo e não tratando a doença crônica do determinado problema. Um pensamento que frisa a importância do treinamento é sempre bom para agregar em profissionalismo, mas em determinadas ocasiões não pode ser substituído pelo trato pessoal.

Cabe, então, a contabilidade , ao fazer a observação da postura do líder e dos seus liderados, buscar através do diálogo trazer a medida do treinamento e da pessoalidade para que o líder treinador rompa.