Os erros no Imposto de Renda que mais levam à malha fina (Parte II)

7) Omitir recebimento de aluguéis

Aluguéis são considerados rendimentos tributáveis e devem ser obrigatoriamente declarados no Imposto de Renda. Quem não tem nenhuma outra renda, mas recebeu aluguel mensal superior a R$ 1.903,98 em 2019, terá de pagar o imposto.

Quando o aluguel é recebido de pessoa jurídica, o rendimento é tributado na fonte. Mas quando o inquilino é uma pessoa física, o recolhimento acontece mensalmente, por meio do carnê-Leão. Nesse caso, o pagamento do imposto é de inteira responsabilidade de quem recebe o dinheiro.

Vale lembrar que é possível dividir o valor de aluguéis recebidos com o cônjuge. Ou seja, se o casal recebeu aluguel de R$ 3 mil por mês em 2019, cada um pode declarar R$ 1,5 mil mensais e, assim, ficar isento do pagamento do carnê-leão mensal.

8) Incluir dependentes erroneamente

Arcar com as despesas de um conhecido, ainda que elas sejam dedutíveis (como despesas médicas ou com mensalidade escolar), não garante ao contribuinte o direito de abater esses gasto de sua renda tributável.

Para deduzir qualquer tipo de despesa com outra pessoa, é necessário que ela seja incluída como dependente na declaração, e existem critérios para isso. Filhos de pais divorciados, por exemplo, só podem ser dependentes na declaração de quem detiver a guarda judicial.

O pai separado que paga o plano de saúde do filho, por exemplo, mas não tem a sua guarda judicial, não poderá deduzir esse tipo de gasto na sua declaração. A única dedução permitida nesse caso é a pensão alimentícia definida judicialmente.

Pais e avôs só podem ser incluídos como dependentes na declaração se tiverem recebido rendimentos inferiores a R$ 22.847,76 em 2019, tributáveis ou não.

A inclusão de sogros como dependentes segue a mesma regra, mas conta com uma restrição adicional: eles só podem entrar na declaração caso o contribuinte também inclua seu cônjuge ou companheiro como dependente. Se o casal preencher a declaração separadamente, cada um só poderá incluir como dependentes seus próprios pais.

O neto só pode ser incluído como dependente no Imposto de Renda dos avós se eles tiverem a sua guarda judicial e se ele estiver enquadrado nas mesmas regras válidas para a inclusão de filhos: ter até 21 anos de idade ou qualquer idade, ser incapacitado física ou mentalmente para o trabalho; ou ter até 24 anos de idade e cursar nível superior ou escola técnica de segundo grau.

9) Incluir a mesma pessoa em duas declarações

O CPF de uma pessoa não pode aparecer em mais de uma declaração. Portanto, se dois contribuintes dividem as despesas de avós, pais ou filhos, a família deve conversar para decidir qual deles irá incluir o dependente na declaração.

Apenas essa pessoa poderá deduzir os gastos do dependente. As despesas pagas por outros familiares não poderão ser abatidas.

A única exceção ocorre quando uma pessoa deixa de ser dependente de um contribuinte para passar a ser dependente de outro. Nesse caso, ela pode ser incluída em duas declarações ao mesmo tempo no ano seguinte ao da mudança.

Um filho que era dependente da mãe e se casou em 2019, passando a ser dependente da esposa, por exemplo, pode ser declarado por ambas na declaração de 2020. No entanto, cada titular só poderá deduzir as despesas referentes ao período em que essa pessoa era sua dependente. A mãe poderá deduzir os gastos com o filho até junho, por exemplo, e a esposa passaria a declarar as despesas de julho em diante.

10) Deixar de recolher imposto sobre ganhos com ações

Quem teve ganho líquido na venda de ações por valores acima de R$ 20 mil em um único mês não deve apenas lançar esse ganho na declaração, mas também pagá-lo até o último dia útil do mês seguinte ao da venda dos papéis, através do carnê-leão.

Na hora de declarar, basta importar os dados do carnê-leão para o programa gerador da declaração.

11) Confiar cegamente em alguém que faz a declaração para você

Pagar um profissional para fazer sua declaração ou pedir ajuda a alguém de confiança não significa que os dados declarados não devem ser checados. Mesmo se o erro for deles, a responsabilidade pelas informações prestadas é do contribuinte.

Portanto, busque sempre revisar as informações inseridas na declaração e, em caso de dúvida, procure solucioná-la no site da Receita, pelo Receitafone (146 para ligações do Brasil) ou com uma segunda fonte de informação.

Fonte: https://exame.com/

Os erros no Imposto de Renda que mais levam à malha fina (Parte I)

Prazo para entrega termina na terça, mas ainda dá tempo de preencher a declaração com calma e evitar erros

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda termina na próxima terça-feira (30), às 23h59. Mas ainda dá tempo de preencher o documento com calma e sem erros para evitar penalidades, que podem representar um grande prejuízo ao contribuinte.

Quem omitir rendimentos na declaração está sujeito à multa de 75% do valor do imposto devido. Se for caracterizada fraude, o percentual sobe para 150%.

Evite dor de cabeça. Veja abaixo os erros que mais levam os contribuintes à malha fina do Imposto de Renda.

1) Informar valores errados

Os valores dos rendimentos devem ser declarados com cuidado, principalmente os que tiveram imposto retido na fonte. Esses rendimentos são facilmente cruzados pela Receita porque também são informados pelas fontes que realizaram o pagamento.

2) Omitir pensão alimentícia

Alguns contribuintes não lançam a pensão por ignorar que esse tipo de rendimento é tributável ou por achar injusto sofrer tributação sobre um valor usado para a criação dos filhos. Concordando ou não com a Receita, as pensões devem ser sempre declaradas.

Quem paga a pensão alimentícia registrada em um acordo na Justiça pode deduzir 100% do valor da sua renda tributável do IR. Já para quem recebe o valor da pensão os recursos são tratados como um salário e devem ser acrescentados à renda tributável do contribuinte, mesmo se a pensão não for diretamente paga ao titular da declaração, mas, sim, aos seus dependentes.

3) Abater despesas médicas não dedutíveis

Como a dedução de gastos com saúde não tem limite de valor, contribuintes podem se sentir tentados a inflar os valores das despesas realizadas e deduzir gastos com pessoas que não são suas dependentes na declaração.

Porém, de acordo com as regras da Receita, o contribuinte só deve lançar gastos com saúde feitos em benefício próprio ou de seus dependentes. E as despesas lançadas devem ser passíveis de comprovação por meio de notas e recibos que contenham a assinatura do profissional de saúde, seu nome completo, CPF e também os dados do paciente.

Além disso, gastos com medicamentos só são dedutíveis se forem incluídos na nota fiscal emitida pelo hospital.

4) Incluir despesas com educação não dedutíveis

Cursos extracurriculares, como de línguas, cursos preparatórios para o vestibular, creche, inscrições de exames e gastos com material escolar não são dedutíveis do Imposto de Renda.

Entre os gastos com educação, podem ser deduzidas apenas as despesas do contribuinte e de seus dependentes com mensalidades escolares de ensino infantil, fundamental, médio e superior, incluindo graduação, mestrado, doutorado e especialização.

Lembrando que o limite de valor para dedução de gastos com educação é de R$ 3.561,50 por pessoa declarada.

5) Omitir renda do dependente

Ao incluir dependentes na declaração, o contribuinte deve informar não só suas despesas, mas também seus rendimentos, bens, direitos e dívidas. Se um pai declara um filho como dependente, por exemplo, além de declarar as despesas médicas com o filho, ele deve declarar eventuais bolsas de estágio e pensões alimentícias recebidas por ele.

Se o dependente adicionar mais rendimentos tributáveis do que deduções à declaração, sua inclusão no Imposto de Renda pode levar o contribuinte a se enquadrar em uma faixa maior do imposto. Por isso, é sempre recomendável simular a declaração com e sem a inclusão do dependente.

6) Omitir salários de antigos empregadores

Se você mudou de trabalho ao longo de 2019, não se esqueça de declarar também os salários recebidos do antigo empregador.

Como as fontes pagadoras são obrigadas a prestar essa informação à Receita, as chances de a Receita identificar eventuais sonegações são altas.

Fonte: https://exame.com/

Hoje mostramos alguns erros que podem ser cometidos no momento do envio da Declaração do Imposto de Renda, abordaremos mais sobre o assunto na próxima matéria. Se você tem dúvida de como proceder, por favor, entre em contato com nossa contabilidade, será um prazer atender você.

Como continuar empreendendo em meio a crise econômica

A pandemia do novo coronavírus afetou fortemente a economia e a crise já pode ser sentida em diversos setores numa escala global. Contudo, é possível sim continuar empreendendo mesmo diante da crise econômica.

Ainda que a renda da população tenha diminuído e a retração na economia seja inevitável, o avanço tecnológico vem possibilitando que muitos negócios se mantenham funcionando e continuem produzindo mesmo com toda essa crise.

Veja neste artigo dicas de como continuar empreendendo em meio a crise econômica e saiba como passar por esse momento de turbulência:

Revise seu planejamento e seu modelo de negócio

Se você está em fase de planejamento da sua empresa, é interessante fazer algumas adequações no seu plano de negócio. Ou seja, rever aquilo que seria aplicado e tentar adaptar para o atual cenário econômico.

Vamos supor que você iria abrir uma empresa no ramo de alimentação. Mesmo diante da crise, empresas desse segmento estão conseguindo faturar. Desse modo, em vez de adiar a abertura em virtude da impossibilidade de atrair clientes no estabelecimento físico, seria interessante ao menos iniciar as operações fazendo as entregas via delivery.

Para se ter uma ideia, até mesmo empresas de pequeno porte estão ajustando seu modo de atendimento via aplicativos de mensagens e delivery para entregas das compras dos clientes. Ou seja, a crise obrigou as empresas a se adaptarem a uma nova realidade.

O que deve ser considerado neste exemplo é não se limitar aos empecilhos causados pela crise, mas sim encontrar soluções criativas e eficientes para que seu negócio possa funcionar.

Perceba o que está em alta e agregue valor ao seu negócio

Como mencionado acima, diversos segmentos estão conseguindo faturar mesmo com a crise. Sendo assim, é interessante pesquisar o que está em alta neste momento de crise e tentar implantar no seu negócio. Veja alguns exemplos:

  • Comércio eletrônico;
  • Delivery;
  • Atendimento virtual;
  • Omnichannel;
  • Home Office;
  • Sistemas de automatização;
  • Marketing Digital;
  • Entre outros.

Algumas dessas práticas que estão em alta neste momento são tendências que já vinham em ascensão antes mesmo dessa crise. Ou seja, sua empresa pode apostar nesses modelos como diferenciais para o seu negócio e ganhar competitividade quando as coisas se normalizarem.

Ajuste o seu orçamento para a realidade atual

O momento de crise nos obriga a tomar decisões. Por isso, é importante estar atento a tudo que envolve a gestão financeira e ajustar o orçamento as condições atuais do negócio. Não dá pra manter o mesmo orçamento quando a demanda pelos produtos ou serviços da empresa vem caindo.

O ideal é ir ajustando conforme a realidade do negócio e tentar superar a crise sem muito endividamento. Cortar gastos é essencial neste momento, pois a crise é algo que atinge a economia como um todo e não somente um segmento ou um grupo de empresas.

Use as linhas de crédito do governo

Por fim, se o seu negócio enfrenta dificuldades e não há como sobreviver por muito tempo, uma boa ideia é avaliar o uso das linhas de crédito oferecidas pelo governo para o enfrentamento da crise. Esse dinheiro pode servir como capital de giro e cobrir despesas emergenciais do seu negócio.

A tendência é que as coisas comecem a se normalizar gradativamente. Por isso, vale a pena fazer os esforços que forem necessários neste momento para que a empresa possa superar este momento difícil da melhor maneira possível.

54% dos brasileiros realizarão mais compras online após o isolamento

Brasileiros afirmam ter feito mais compras via internet durante o período de distanciamento social, consolidando o ‘boom’ do e-commerce

O crescimento vertiginoso do e-commerce chegou para ficar após o isolamento. É o que indica o Estudo Marco de Hábitos de Consumo Pós-Covid-19, da agência de comunicação Marco, uma sondagem internacional realizada entre mais de 4.500 pessoas no Brasil, Espanha, Itália, Portugal, México e Colômbia. Uma de suas principais conclusões aponta que 76% dos cidadãos que vivem nos países pesquisados mudaram definitivamente seus hábitos de consumo.

O Brasil se destaca como um dos mercados com maior número de consumidores (65%) que afirmam ter feito mais compras online durante esse período. Essa tendência se repete na Espanha (60%) e nos outros países da América Latina (ao menos 65%), ficando abaixo da Itália (81%).

Do mesmo modo, depois do distanciamento social, 54% dos brasileiros farão mais compras online do que antes. Essa tendência de alta também é perceptível no mercado latino (ao menos 51%), mas novamente tem destaque na Itália (82%). Consequentemente, esse crescimento tem impacto no setor de varejo, resultando na aposta obrigatória em canais online de vendas e marketing. Isso também gera consequências para a adaptação dos varejistas a um novo modelo de logística.

Canais de informação

No período de isolamento, 75% dos brasileiros escolheram a televisão como o principal meio para se manterem informados. Em seguida está a imprensa online, com 58%. Tanto a TV quanto os portais de notícias ocupam as duas primeiras posições em todos os países pesquisados. No Brasil completam o ranking Facebook (38%), WhatsApp (34%), rádio (17%), LinkedIn (5%) e jornais impressos (4%).

Em paralelo, também houve um grande crescimento em várias plataformas de streaming. As que tiveram maior aumento na utilização pelos brasileiros foram Netflix (73%), Amazon Prime (32%) e Globoplay (26%). Os consumidores também optaram pelos videogames (50% entre os homens e 37% entre as mulheres) como uma das principais opções de lazer durante o isolamento.

Fonte: https://administradores.com.br/

 

Diante do cenário em que vivemos é primordial a adaptação para que sua empresa continue prospectando e mantendo os clientes. Se você precisa de uma consultoria, por favor, entre em contato conosco.

Vai abrir uma empresa? Confira por que você precisa de um plano de negócios!

Se você está iniciando uma empresa, não faltam conselhos sobre as etapas a serem seguidas, tais como registrar o nome da empresa, obter um ID fiscal, decidir sobre a estrutura da empresa e solicitar as permissões e licenças necessárias. Embora essas sejam todas etapas muito importantes a serem seguidas, um plano de negócios será central para como você inicia, cresce e desenvolve seus negócios.

Um plano de negócios é uma ferramenta escrita sobre a sua empresa que projeta de 3 a 5 anos à frente e descreve o caminho que sua empresa pretende seguir para ganhar dinheiro e aumentar a receita. Pense nisso como um projeto vivo para o seu negócio, e não como um documento único. Divida-o em mini planos, um para vendas e marketing, um para precificação, outro para operações e assim por diante.

Separamos abaixo três motivos pelos quais você não deve deixar um plano de negócios de lado. Confira agora e apaixone-se pela ideia!

Isso ajudará você a direcionar seus negócios à medida que inicia e cresce

Pense em um plano de negócios como um GPS para impulsionar seus negócios. Um bom plano de negócios orienta você em cada estágio de início e gerenciamento de seus negócios. Você usará seu plano de negócios como um GPS para estruturar, executar e expandir seus novos negócios. É uma maneira de refletir e detalhar todos os elementos principais de como sua empresa será administrada.

Sem contar que não há maneira certa ou errada de escrever um plano de negócios. Você pode escolher um formato de plano que funcione melhor para você. O importante é que seu plano de negócios atenda às suas necessidades. A maioria dos planos de negócios se enquadra em uma de duas categorias comuns: inicialização tradicional ou enxuta.

Isso ajudará você a alcançar marcos de negócios

Um plano de negócios bem pensado ajuda você a recuar e pensar objetivamente sobre os elementos-chave do seu negócio e informa sua tomada de decisão à medida que avança. É essencial se você precisa garantir um empréstimo comercial ou não. Lembre-se de que o plano não precisa ser como uma enciclopédia e não precisa ter todas as respostas.

Isso pode ajudá-lo a conseguir um financiamento

Os planos de negócios podem ajudá-lo a obter financiamento ou atrair novos parceiros de negócios. Ter um no lugar ajudará os investidores a se sentirem confiantes de que verão um retorno sobre seu investimento. Seu plano de negócios é a ferramenta que você usará para convencer outras pessoas de que trabalhar com você (ou investir em seus negócios) é uma decisão inteligente.

Lembre-se de que, se você estiver usando seu plano como uma verdadeira ferramenta de planejamento de negócios, não precisará esperar até ter todas as respostas para começar. Você pode criar um esboço de seu plano agora, preenchendo todas as informações que você tem neste momento e depois trabalhar nos espaços em branco à medida que aprender mais sobre o mercado. Esse tipo de documento fluido e flexível pode ser inestimável para um novo negócio.