Não tenha medo do desconhecido ao empreender em Salvador. Faça perguntas!


Gerenciar um negócio em Salvador, especialmente nos primeiros anos, pode ser uma experiência estressante e exigente. Pensando nisso, preparamos este post com algumas dicas para você não ter medo do desconhecido.

Como diz o ditado: “nenhum homem é uma ilha”. Essa frase fará ainda mais sentido quando você abrir seu próprio negócio. Alguns vêem o fato de perguntar ou pedir ajuda como um sinal de fraqueza, mas não é. Estar consciente das suas fraquezas é extremamente importante para tomar atitudes a respeito, procurando apoio e orientação.

Gerenciar um negócio, especialmente nos primeiros anos, pode ser uma experiência estressante e exigente, principalmente quando os tempos são difíceis ou se nada for planejado. Por isso, conversar com outros empreendedores que já estiveram em situações similares pode ser um aprendizado inestimável, não somente isso, você verá que muitos ficarão contentes em ajudar a sanar suas dúvidas. Afinal, todos já estiveram ou estão no mesmo barco.

Perguntas são infinitas

O fluxo infinito de perguntas impede muitas pessoas de entrar no mundo do empreendedorismo, ficando sobrecarregados com suas próprias perguntas. Não deixe que isso aconteça com você. Se você pensar sobre a quantidade de perguntas a responder ao iniciar um negócio, você nunca vai começar a procurar as respostas ou a dar início ao seu negócio.

Ninguém fará todas as perguntas certas ou terá todas as respostas na mão. Será necessário aprender ao longo da jornada. E acredite: você irá cometer erros. Mas não se preocupe, pois isso também faz parte. Por isso, mesmo que você ache que as suas perguntas são muito óbvias: faça-as!

Não tenha medo do desconhecido

Ninguém gosta de deixar as perguntas sem respostas. Perguntas sem resposta tornam-se “desconhecidas” e deixam a maioria de nós um tanto quanto desconfortáveis. Isso acontece quando somos empurrados para fora da nossa zona de conforto. Uma situação nova pode ser intimidante, assim como abrir um novo negócio pela primeira vez.

Não deixe o medo do desconhecido assustá-lo. Sempre teremos incógnitas na vida para enfrentar. Além disso, quem tiver respondido a primeira grande pergunta “Por quê quero ser um empreendedor?” e seguido em frente, aprenderá a navegar nas águas desconhecidas do empreendedorismo. No fim, o processo de abrir um novo negócio não é estudo científico, e sim, tentativa e erro.

Abraçar a ideia de tentativa e erro é uma habilidade de negócio importante a desenvolver. Você ficará mais confortável com o desconhecido e verá que cometer erros não é o fim do mundo. Na verdade, são os erros que fazem você descobrir maneiras de melhorar o seu negócio.

Portanto, saiba o que pode ser feito para que você se livre do medo de empreender e não tenha tantas dúvidas ao longo dessa jornada.

Aumente seu networking

Tente ao máximo participar de eventos relevantes em seu setor ou área – você poderá conhecer pessoas de diferentes indústrias, mas, o fato de estar no mesmo evento já mostra que existe um interesse em comum.

Algumas das melhores ideias ou respostas ao longo da carreira poderão surgir como resultado de conversas casuais com outros empreendedores. Não tenha receio em se aproximar e perguntar, pois as dicas de quem já está no mercado por mais tempo podem ser extremamente valiosas.

Em qualquer negócio, preencher lacunas de conhecimento é importante. A melhor maneira de fazer isso é contratando funcionários com experiência na área necessária, porém nem sempre é possível, principalmente quando você está iniciando o seu negócio. Portanto, não tenha receio em se aproximar e perguntar, aprender e reaprender. Junte-se, por exemplo, em grupos de empreendedores da mesma área que você. Seja em encontros mensais ou pelas redes sociais. Lá você terá uma maior liberdade para perguntar e expandir ainda mais o seu conhecimento.

Tenha mentores

Não subestime a importância de uma boa orientação. Essa é uma das ferramentas mais importantes e que qualquer empresário pode ter acesso – alguém experiente e imparcial para poder recorrer e ter apoio. Existem diversos tipos de mentores, por exemplo:

  • Professores
  • CEOs com longo tempo de experiência
  • Algum familiar que trabalha na mesma área
  • Investidores com interesse em comum

O bom mentor não é aquele que concorda com você ou vice-versa. Ele mostra caminhos com os quais você pode ou não concordar. Com o mentor, você deve ouvir mais e falar menos.

Importante lembrar que a motivação de um mentor não deve ser dinheiro ou participação no negócio. Mentores remunerados não são mentores, são consultores. A mentoria é uma iniciativa de doação, de transmissão para outras gerações do seu aprendizado e legado intelectual.

Faça uma estratégia

Como uma startup ou como microempreendedor, você precisa se concentrar em diversas coisas ao mesmo tempo, seja o fluxo de caixa, marketing, recrutamento ou as vendas. Muitas vezes você fica preso nas operações diárias e perde o foco na sua estratégia e objetivo. Por isso, não pense apenas em sobreviver na semana atual. Pense em onde você quer estar dentro de seis meses, um ou três anos. Tenha uma estratégia clara e bem feita.

Tenha um bom planejamento

Um bom planejamento garantirá mais controle e menos dúvidas, desde o início do seu empreendimento. Com um plano de negócios ou uma tabela Canvas, é possível resolver algumas questões essenciais que podem surgir no começo:

  • Como faço para iniciar minha empresa?
  • Será que essa ideia será rentável?
  • Quanto de capital é necessário?

Quanto mais você pensa sobre começar um negócio, mais perguntas você terá:

  • O quão inteligente uma pessoa tem que ser para alcançar o sucesso? Sou esperto o suficiente?
  • O que eu preciso saber?
  • Existem sinais que prevejam se vou ou não ter sucesso?
  • Existe uma fórmula que eu preciso seguir para ser bem sucedido?

Vá em frente!

Uma vez que você iniciar o seu negócio, as perguntas não irão nunca parar, mas não tenha medo do desconhecido. Você estará constantemente tentando descobrir maneiras melhores de executar suas atividades diárias.

Além disso, novas questões e oportunidades surgirão constantemente . É importante, então, tentar entender sobre tudo que tiver ao seu alcance. Se informando, por exemplo, sobre como fazer a folha de pagamento, pagar impostos, gerenciar inventário, fazer um lucro ou contratar funcionários.

Lembre-se que é uma boa base inicial o planejamento, estratégias e se cercar de pessoas que poderão oferecer auxílio quando você precisar. Essas atitudes eliminará muito o medo do desconhecido do empreendedorismo.

Não deixe que as perguntas te estacione. Use-as como propulsoras para novos caminhos e ideias!

Fonte: saiadolugar.com.br

JLL

Contabilidade em Salvador

 

Como agem as empresas de melhor reputação


Uma pesquisa exclusiva lista as companhias com melhor reputação no Brasil — e mostra que relacionamento faz toda a diferença na hora de construir uma marca

Uma regra inegociável faz parte do pacote de entrada da fabricante de cosméticos Natura a cada nova operação que inicia fora do Brasil — não investir 1 centavo sequer em publicidade pelo menos nos primeiros quatro anos. Antes de alardear sua chegada, a empresa se dedica a estabelecer laços sólidos com parceiros locais.

O primeiro deles é sempre seu exército de consultoras, como a companhia chama suas vendedoras porta a porta. Na Colômbia, sua incursão estrangeira mais recente, tudo começou em 2007 com um grupo de algumas dezenas de mulheres. Hoje, são mais de 50 000.

Nos sete países em que atua, a Natura já soma um batalhão de 1,6 milhão de vendedores, 92% dos quais são mulheres. Ganhar a confiança de quem tem a função de embaixador da marca é crucial para que o negócio dê certo. É um fato do qual os executivos da companhia tentam se lembrar o tempo todo.

O grupo dos dez principais executivos da empresa tem metas individuais que refletem o bom relacionamento com consumidores, fornecedores e sociedade em geral. Se uma delas não é atingida, não há bônus.

“Uma boa reputação se constrói ao longo do tempo e com um relacionamento, mostrando coerência entre o que se fala e o que se faz”, diz Alessandro Carlucci­, presidente da Natura, apontada pelo segundo ano consecutivo como a empresa com a melhor reputação no Brasil, de acordo com um levantamento realizado com exclusividade para EXAME.

Elaborado pela consultoria espanhola Merco e com o apoio do Ibope, o levantamento foi realizado de fevereiro a abril deste ano, com cerca de 2 500 entrevistados.

O processo de elaboração do ranking se divide em quatro etapas. Na primeira delas, executivos de grandes empresas brasileiras são convidados a indicar dez companhias de setores diversos que consideram ter uma boa reputação e outras três do segmento em que atuam.

No passo seguinte, a lista é submetida a públicos específicos, como analistas e representantes de ONGs, que apontam as que consideram merecedoras de destaque. Após uma checagem de informações com as próprias empresas citadas, a lista é enfim submetida à opinião do público geral.

O objetivo é abarcar todas as variáveis que compõem a boa reputação de uma companhia. Trata-se de algo que vai muito além de oferecer um bom produto ou serviço no mercado. Também transcende um discurso preparado por um exército de profissionais de relações públicas.

É uma questão de manter um relacionamento ganha-ganha com consumidores, fornecedores, funcionários e acionistas. “A reputação é reflexo da percepção que as pessoas têm quando entram em contato com a empresa de alguma forma”, diz o espanhol Antonio Montero, diretor técnico da Merco (que, além do Brasil, realiza pesquisas semelhantes em outros nove países).

A sondagem Trust Barometer 2014, da empresa global de relações públicas Edelman, mostrou que 71% das pessoas acreditam que um produto de qualidade é condição fundamental para sustentar a confiança numa empresa. Mas só isso não basta.

Quase a mesma proporção de entrevistados acredita que tratar bem os funcionários, ouvir os consumidores e ter uma atitude responsável com o meio ambiente também é determinante.

Não é nada simples manter uma boa imagem diante de diversos públicos. Mas o conceito de reputação, aparentemente tão intangível, traz resultados bem concretos.

O valor de mercado de uma empresa com boa reputação é 5,5% maior do que o de uma empresa com menos prestígio, segundo uma análise de 348 companhias brasileiras realizada pelo pesquisador Luciano Rossoni, fundador do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sociais, do Rio de Janeiro.

Atualmente, 32% das empresas no país consideram a reputação seu ativo mais importante, de acordo com uma pesquisa feita com 300 companhias pela consultoria Deloitte. Segundo dados da consultoria Reputation Institute, 85% dos consumidores afirmam aceitar pagar mais por produtos vendidos por uma empresa que tem reputação superior.

Além de vender mais, essas empresas ganham em outras frentes. Várias pesquisas mostram que companhias com boa reputação conseguem diminuir custos, como em empréstimos com juros menores.

Especialistas são unânimes em apontar que tudo isso só se constrói com consistência ao longo dos anos. A fabricante de bebidas Ambev — que passou da sétima para a terceira posição no ranking da Merco neste ano — conseguiu se manter coerente no longo prazo com pelo menos uma proposta: ser eficiente.

Isso tem acontecido, mesmo quando o contexto parece não ajudar. O ano passado foi cheio de percalços para a indústria de bebidas. A produção de cerveja no país encolheu 2%. Na Ambev não foi diferente. As vendas em volume caíram 3,2%. O faturamento, porém, cresceu 6,4% e chegou a 35 bilhões de reais.

“Não crescemos só com redução de custos. Isso é quase uma obrigação, porque é o que está sob controle”, diz João Castro Neves, presidente da Ambev. A empresa investiu quase 2 bilhões de reais em inovação em 2013. O dinheiro serviu para lançar novas embalagens, como a lata de meio litro da Antarctica­, e novas fórmulas da Brahma e da Skol Beats Extreme.

Nos dois últimos anos, as ações da Ambev valorizaram 33% — nos últimos cinco anos, a alta foi de 286% —, e o valor de mercado da empresa chegou aos atuais 110 bilhões de dólares. No mesmo período, o Ibovespa desvalorizou 4%.

Segundo a consultoria Economatica, a companhia se tornou neste ano a terceira mais rentável da América Latina e dos Estados Unidos. A Ambev ficou atrás apenas da gigante de tecnologia IBM e da varejista Home Depot — e à frente de Apple, Coca-Cola e Google.

Para algumas companhias pode ser mais fácil criar empatia com certos públicos — e bem mais complicado cair nas graças de outros. Esse é claramente o caso do Itaú Unibanco, segundo colocado do ranking elaborado pela Merco. O banco, um dos queridinhos do mercado, registrou lucro líquido de 15,7 bilhões de reais em 2013 — 15,5% mais em relação ao obtido no ano anterior.

Trata-se do maior lucro da história dos bancos no Brasil. Manter uma imagem tão reluzente junto aos consumidores, no entanto, não tem sido tão simples. A companhia está em segundo lugar em reclamações no Procon São Paulo, com 1 897 ocorrências em 2013. É também um dos efeitos colaterais do crescimento — o Itaú tem hoje cerca de 40 milhões de clientes.

Para combater essa imagem negativa, uma das medidas mais radicais foi mexer na rotina do primeiro escalão — inclusive na do presidente, Roberto Setubal. Desde 2012, mais de 1 200 executivos deixam uma vez por ano o expediente normal para trabalhar por algumas horas na central de atendimento ao cliente do banco.

O Itaú também passou a premiar funcionários que resolvem problemas dos clientes. Em 2013, 3 000 foram indicados e 30 receberam um pacote de ações da empresa. Os resultados já aparecem. No ano passado, o banco conseguiu resolver 85% das reclamações registradas pelos clientes, segundo dados do Procon.

Ao mesmo tempo, o Itaú passou a investir no relacionamento com os clientes além das transações bancárias. Para isso, mantém uma rede de 56 salas de cinema em seis estados, além de um teatro e um museu em São Paulo.

Investiu também em uma rede que já oferece mais de 4 000 bicicletas de aluguel em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro — uma tática, aliás, a que o concorrente Bradesco também aderiu. “Precisamos estar próximos das pessoas”, diz Setubal.

O maior salto

De todas as instituições que aparecem no ranking, o maior salto foi do Hospital Albert Einstein — que passou da 90a para a 20a posição. Trata-se de um exemplo acabado de que é mais prudente construir relações sólidas antes de se esmerar na elaboração de um discurso vendedor.

Criado há quase 50 anos e mantido até hoje como uma instituição filantrópica gerida pela ­comunidade judaica, o hospital passou muito tempo dedicado a construir silenciosamente a imagem de um centro de excelência. Só mais recentemente decidiu iniciar a expansão de seus negócios.

Desde 2009, abriu quatro centros de diagnóstico e se prepara para construir uma faculdade de medicina a ser inaugurada em 2015. Em março, o Einstein passou a ter uma visibilidade inédita ao estrear a série Médicos, no canal de televisão a cabo GNT. Durante dois meses, a rotina e as angústias de seis médicos foram exibidas para quem quisesse ver.

Uma segunda temporada está em negociação. “A iniciativa não foi nossa e não pagamos nada por isso. No começo ficamos com receio de como as pessoas iriam interpretar a exposição, mas foi bom para mostrar como somos no dia a dia”, diz Claudio Lottenberg, presidente do Hospital Albert Einstein.

Mais recentemente, o hospital passou a exibir em seu site algo que, em tese, poderia jogar contra a própria reputação: os índices de infecção hospitalar — mesmo aqueles que não estão no nível esperado. “O objetivo é reforçar a relação de confiança que temos com a sociedade”, afirma Lottenberg.

Transparência

Divulgar publicamente o que não vai tão bem assim é a medida mais extrema quando o assunto é manter a transparência. E é aí que algumas companhias parecem ganhar pontos. Movido por essa crença, o Google — que saltou da oitava para a quinta posição no ranking de reputação deste ano — decidiu abrir alguns dados até então sigilosos.

No fim de maio, divulgou pela primeira vez em 15 anos de história a falta de diversidade entre seus quase 50 000 funcionários espalhados pelo mundo. Apenas 2% deles são negros, 3% hispânicos e 30% mulheres. “É hora de sermos transparentes sobre nossos problemas”, afirmou a empresa num comunicado.

Ao mesmo tempo, a companhia abraçou algumas causas publicamente. Em abril, o escritório do Google em São Paulo distribuiu 100 camisetas estampadas com o logo da empresa para funcionários que quisessem participar da parada gay na cidade. A empresa se preocupa se um assunto ainda polêmico pode ter impacto na reputação?

“De forma alguma. Eu mesmo fui com minhas filhas ao evento. Somos a favor da diversidade, e isso precisa estar claro em tudo o que fazemos. Deixamos de ter uma postura de apenas aceitar, para estimular que as pessoas expressem suas crenças”, afirma Fábio Coelho, presidente da empresa no Brasil.

Tentar esconder problemas, sobretudo num contexto no qual a informação corre mundo afora nas redes sociais em questão de minutos, tem se mostrado desastroso. A executiva americana Mary Barra sentiu na pele os efeitos disso ao receber a missão de presidir a montadora General Motors, em janeiro.

Uma de suas primeiras — e duras — tarefas à frente da companhia foi anunciar um recall de 1,6 milhão de veículos nos Estados Unidos, devido a falhas na ignição. Alguns desses automóveis estavam nas ruas desde 2003. O defeito foi a causa comprovada de 13 mortes — e estudos mostram que esse patamar pode chegar a 300 casos. ­

Mary assumiu que o problema já era conhecido internamente há alguns anos. Ninguém, no entanto, teve coragem de torná-lo público antes. Além de pedir desculpas, ela teve de pagar uma multa de 35 milhões de dólares pela demora em avisar as autoridades e os consumidores.

“O líder é o principal responsável por assumir uma postura transparente e encarar problemas”, afirma o espanhol Montero, da Merco. A GM, que sempre esteve na lista das 100 empresas americanas com melhor reputação nos Estados Unidos, não apareceu neste ano.

“Uma crise é o teste máximo para definir a reputação de uma companhia”, diz Daniel Diermeier, especialista em reputação e professor de estratégia da escola de negócios Kellogg, em Chicago. “Ser transparente é o primeiro passo para recobrar a confiança. Mas não é fácil resgatar uma imagem manchada.” É prudente, portanto, cuidar para que ela jamais seja perdida.

Fonte: exame.abril.com.br

JLL

Contabilidade em Salvador

12 Dicas de Gestão para Empreendedores Iniciantes de Salvador

Abrir um negócio é sempre um grande desafio. Muitos empreendedores se concentram apenas na ideia e esquecem o principal: elaborar um bom planejamento estratégico e financeiro. A cada 100 empresas abertas no Brasil, pouco mais de 75 sobrevivem ao primeiro ano, segundo o Sebrae.

Para Vinícius Roveda, os cuidados dos empreendedores iniciantes devem ser redobrados. Com o objetivo de ajudar quem está começando, ele listou 12 dicas para quem quer evitar os erros mais comuns ao abrir um negócio:

1. Compartilhe a sua ideia
Essa atitude, mesmo em um estágio inicial do negócio, pode economizar um bom tempo e muito dinheiro. Esqueça o medo de que alguém irá copiar o seu projeto e compartilhe o que pensa com outros empreendedores, principalmente com aqueles que já tiveram alguma experiência semelhante.

2. Valide o seu modelo de negócio
Roveda afirma que a falta de planejamento é uma das principais causas de mortalidade das empresas. Os erros são comuns, mas o importante, segundo ele, é que as falhas sejam encaradas como um aprendizado. O ideal é testar e validar seu negócio o mais rápidamente possível – e não ter medo de mudar completamente a estratégia caso seja preciso. Lembre-se de que, se você invalida uma ideia em pouco tempo, o prejuízo é menor. O canvas é um modelo bastante útil para elaborar seu plano de negócios. Aprenda aqui a fazê-lo.

3. Conheça profundamente os seus clientes
Quanto mais você conhecer o seu cliente, maior será a probabilidade de você ter sucesso. Mas não basta apenas ter informações do tamanho do seu público-alvo e de sua preferência. Também é importante entender o comportamento, os hábitos e as rotinas de quem você quer atingir. Com essas informações em mãos, é possível personalizar produtos ou serviços, conquistar os usuários e obter sucesso mais facilmente.

4. Fuja da informalidade
Empreendedores iniciantes se veem tentados a começar suas atividades de maneira informal. A intenção principal é fugir dos impostos. No entanto, sem a formalização, o seu negócio fica impedido de crescer. A capacidade de emitir nota fiscal, criar uma conta bancária como pessoa jurídica, obter máquinas de cartão de crédito e solicitar empréstimos públicos é exclusiva para quem tem um CNPJ.

5. Seja um bom gestor administrativo
Ter experiência no ramo de atuação é importante, mas não é tudo. Boa parte dos empreendedores iniciantes acredita que é possível administrar uma empresa com o conhecimento adquirido em uma graduação específica. Para Roveda, tal postura é inadequada. Sem conhecimento em administração, o empresário corre o risco de ver o negócio afundar.

6. Tenha uma vida financeira organizada
Muitos empreendedores vivem mergulhados em uma completa desorganização financeira, algo terrível para os negócios. Para “sair do vermelho”, o primeiro passo é organizar seu fluxo de caixa. Com planilhas simples, é possível controlar os valores que entram e saem, inclusive com previsões futuras. Alguns softwares de gestão auxiliam o controle financeiro, informando o que vence e o que deverá entrar no seu caixa. Dessa forma o empresário terá total controle da situação monetária e poderá planejar o crescimento saudável do negócio.

7. Separe despesas pessoais e empresariais
Às vezes, por causa de apertos financeiros ou pura desorganização, o empreendedor usa o dinheiro da empresa para pagar despesas pessoais – ou vice-versa. Segundo Roveda, esse é um dos erros mais comuns entre os donos de pequenos negócios. Ele recomenda que o empreendedor fixe uma retirada mensal dos ganhos do negócio – valor tecnicamente chamado de pró-labore – e reinvista o resto dos lucros na própria empresa, estimulando seu crescimento.

8. Defina o valor do seu produto de maneira consciente
Empreendedores iniciantes também costumam errar muito na hora de definir a margem de lucro e fixar preços de produtos. É comum encontrar empresários que vendem muito, mas se queixam de não ver o dinheiro entrar. Isso acontece em razão de cálculos equivocados. Saiba que há técnicas corretas para definir margens de lucro e preço de produtos e serviços. Se você não as conhece, está na hora de rever as finanças da empresa, segundo Roveda.

9. Saiba negociar
Cortar gastos e economizar ao máximo: o empreendedor que pensa assim vai longe, de acordo com o fundador da ContaAzul. Uma estratégia importante para conseguir o melhor aproveitamento dos recursos é negociar com os fornecedores. Se você tiver um bom fluxo de caixa, conseguirá fazer compras grandes com pagamento à vista, o que pode significar custos menores na hora de repor o estoque e lucros mais altos no momento das vendas.

10. Gerencie seu estoque
O gerenciamento de estoque também é um dos pontos fundamentais para o sucesso de um negócio, seja ele virtual ou físico. Todo empreendedor deve ter em mente que, se vender, precisa entregar. Por este motivo, é importante saber exatamente a quantidade de cada item disponível. Caso você trabalhe com mercadorias de curto prazo de validade, o controle deve ser ainda mais rigoroso.

11. Adote estratégias de comunicação
Estratégias de comunicação devem ser adotadas em qualquer negócio, seja ele de grande ou pequeno porte. Algumas medidas criativas podem ser adotadas sem grandes custos. Uma newsletter para o e-mail dos seus clientes, informando sobre novidades e promoções, é uma forma relativamente barata de informá-los. As redes sociais, segundo Roveda, não podem ser deixadas de lado.

12. Seja criativo
Não é necessário “reinventar a roda”. Mas soluções criativas e diferenciais exclusivos são decisivos para levar sua empresa ao sucesso.

Fonte: revistapegn.globo.com

JLL

Contabilidade em Salvador

Importância do profissional de marketing na empresa

O profissional de marketing é um exemplo de como agregar talentos em uma equipe. Por isso, falaremos sobre a importância desse profissional.

Empreender para muitos pode significar a oportunidade de mudar o seu destino, conquistar a sonhada independência financeira, uma chance de se inserir no mercado de trabalho, ou simplesmente a alternativa de manter um crescimento contínuo.

O fato é que se você planeja entrar no universo empresarial, saiba que os desafios são diários e colher bons resultados depende de muita dedicação. Mas não é obrigatório estar sozinho nessa jornada, ter um time de colaboradores competentes muitas vezes é a chave para o sucesso.

O profissional de marketing é um belo exemplo de como agregar talentos em uma equipe. Já ouviu falar naquele ditado: “propaganda é a alma do negócio”? Pois bem, contar com pessoas desse gabarito em qualquer empresa é de grande valia para conhecer o seu público e como satisfazê-lo, tornando a relação de consumo uma experiência única.

Por isso, no post de hoje falaremos um pouco sobre a importância desse profissional para o cenário corporativo. Acompanhe o artigo e confira!

Quais as atribuições do profissional de marketing?

No mundo contemporâneo muito se ouve falar sobre a importância de uma boa estratégia de marketing para prosperidade nos negócios. Mas você sabe exatamente o que faz esse profissional?

O trabalho deste especialista não se trata simplesmente de promover vendas. O profissional do marketing é aquela pessoa responsável por dar visibilidade aos produtos ou serviços de uma empresa.

Que habilidades eles devem ter?

Acima de tudo, criatividade é um atributo primordial para as pessoas que desejam trabalhar com o marketing, é preciso estar sempre inovando nas estratégias de atingir o público-alvo.

Mas uma carreira sólida não é construída com base em uma única característica, para se destacar outras habilidades necessitam ser desenvolvidas; lembre-se de que, independente da área em que atua, a exigência do mercado é cada vez maior.

Assim, quem trabalha nesse segmento, não deve ter medo de ousar – ainda que haja alguns tropeços durante a sua trajetória, os erros fazem parte do nosso crescimento – ser uma pessoa aberta a novos desafios, com sede de conhecimento, que acompanha as tendências do seu setor para saber o momento de renovar, são qualidades indispensáveis.

Qual a importância do profissional de marketing para uma empresa?

São muitas as vantagens de contar com alguém dessa área, dentre as quais destacamos:

Estabelecer uma relação próxima com os clientes

A ideia de que criar um produto ou serviço de qualidade é satisfatório para obter bons resultados na empresa está totalmente ultrapassada.

Hoje, quem não se alinha às expectativas dos consumidores, procura saber o que eles desejam que seja melhorado, corre um grande risco de fracasso, de ser engolido por uma organização que tenha essa sensibilidade.

Neste contexto, o trabalho de marketing é essencial na busca da melhor forma de atingir quem realmente interessa. Quem é o público-alvo? Qual a ferramenta devo usar para estreitar o nosso elo? O que eles esperam do produto? Como fidelizar os meus clientes? Esses são alguns questionamentos que auxiliam na escolha da estratégia de marketing e criar uma afinidade entre empresa e consumidores.

Criar uma identidade da marca no mercado

Por trás do surgimento de uma empresa sempre existe um ideal, um propósito que motivou o empreendedor a se aventurar e construir uma marca a partir desse conceito.

Seja um empreendimento grande ou pequeno, para alcançar o sucesso é fundamental transmitir credibilidade, fazer com que as pessoas acreditem no seu trabalho.

E desenvolver uma imagem confiável do negócio também se enquadra na importância de um profissional de marketing para o seu time. Ele é a pessoa capacitada para garantir que a empresa seja vista positivamente, criar a sua referência e expô-la de forma eficiente.

Diferenciá-lo dos concorrentes

O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, todos os dias vemos produtos semelhantes no mercado e de diferentes origens. E conforme mencionamos anteriormente, não basta ter um bom produto. Mas como se sobressair em meio a tanta concorrência?

Algumas soluções certamente podem ser apontadas por quem está habituado a estabelecer táticas com o objetivo de promover determinado produto ou serviço.

Investir em conteúdo de marketing é indispensável para liderar o segmento em que você empreende. Valorizando esse tipo de trabalho, fica mais fácil entender o que precisa ser aperfeiçoado, o que a empresa pode oferecer de diferente para superar os adversários.

Ampliar os horizontes e enxergar novas oportunidades

A sociedade vive em constante transformação, e o que nos satisfaz hoje pode não ter utilidade amanhã ou em um futuro próximo.

Neste sentido, os colaboradores treinados para explorar as novidades favorecem para que o negócio não caia na monotonia. Quem se deixa estagnar perde o seu espaço e facilita a vida dos concorrentes.

O que avaliar para encontrar um bom profissional de marketing?

É verdade que um grande especialista nessa área deve trazer consigo algumas características natas e desenvolvê-las ao longo da sua carreira. Mas um profissional não se constrói apenas com intuição e experiência de vida, o conhecimento teórico também é fundamental.

A ciência do marketing pode ser aprendida através de um curso de graduação, que é uma instrução mais completa, ou a formação técnica, que tem menor duração, mas também auxilia na inserção do mercado.

Certamente o tipo de qualificação diferencia no custo e nas responsabilidades a serem assumidas por cada um desses profissionais. Entretanto, observar algumas peculiaridades ajudará na sua escolha:

Capacidade de criar diante das adversidades

Produzir de maneira eficiente quando tudo funciona bem é esperado, as pessoas se sentem motivadas enquanto as coisas seguem o curso do crescimento.

Mas como enfrentar os obstáculos, que não são poucos no cenário empresarial? Contrate alguém que seja dinâmico, que consiga se adaptar aos problemas e sugerir como as estratégias de marketing irão solucioná-los.

Poder de executar os projetos

Não é segredo para ninguém que planejamento é um dos alicerces de uma trajetória de sucesso, porém algumas vezes é difícil tirá-los do papel.

Neste sentido, a colaboração do marketing é analisar o desempenho da comunicação da sua empresa com os clientes, e ao identificar os pontos que não tiveram o rendimento esperado, ser capaz de propor novas ações para aumentar a produtividade e os ganhos.

Com base nas informações apresentadas, podemos concluir que o apoio de um profissional de marketing se faz necessário em qualquer empreendimento, ainda que seja pequeno. Diante da competitividade do mercado, vale a pena investir nesse setor da sua empresa.

Fonte: saiadolugar.com.br

JLL

Contabilidade em Salvador

Empreendedorismo: Como identificar problemas para gerar oportunidades

A partir de agora você verá como um empreendedor de Salvador deve identificar oportunidades no meio de problemas do empreendedorismo e, assim, alcançar o sucesso.

O que diferencia um empreendedor de sucesso dos demais? Essa é uma pergunta a qual muitos se fazem e a resposta está justamente no empreendedorismo dessas pessoas. Sim, aquela disposição e iniciativa para mudar a realidade ao seu redor com otimismo e determinação!

Uma das maiores habilidades de empresários inteligentes é enxergar oportunidades em situações que a maioria das pessoas só conseguem ver problemas. E, claro, se você pretende abrir o próprio negócio precisa começar a mudar o seu olhar sobre as coisas, procurando maneiras de inovar e se destacar no mercado.

Pensando nisso, hoje preparamos um conteúdo para ajudá-lo com essa missão. A partir de agora você verá como um empreendedor deve identificar oportunidades no meio de problemas e, assim, alcançar o sucesso. Quer aprender? Acompanhe!

Por que um problema nem sempre é um problema?

Ora, conforme dito, um bom empresário é alguém atento a tudo que se passa ao seu redor. Pois, acredite, um problema para a maioria da sociedade pode ser o propulsor de uma ideia inovadora e rentável.

Pode parecer confuso, mas o que estamos dizendo é que um problema nem sempre é um problema; depende do seu ponto de vista. Se você adota uma postura pessimista — como a maioria das pessoas —, se renderá às dificuldades e lamentações. Por outro lado, quando adota uma postura otimista, seu campo de visão se expande e você começa a ver chances de crescer em meio ao caos.

Ou seja, o primeiro passo para embarcar no mundo do empreendedorismo é começar a olhar diferente para o mundo. Procure observar o que preocupa e incomoda as pessoas e, partir disso, trace estratégias para ajudá-las. Afinal, um problema pode se transformar em uma solução nas mãos de um empreendedor inteligente.

Qual o perfil de um empreendedor que enxerga oportunidades ao invés de problemas?

Para aprender a se tornar um bom empresário, é preciso compreender como eles pensam e agem. Dessa maneira, vamos abordar um pouco das principais características existentes no perfil desses empreendedores de sucesso. Observe:

São pessoas otimistas

Sem dúvidas, a maior característica desse tipo de empresário é o otimismo. Caso não fosse assim, eles ficariam paralisados frente a um problema e dificuldade, impedidos de enxergar todas as possibilidades existentes.

São indivíduos curiosos

A curiosidade é outro traço marcante na personalidade de empresários que se destacam em meio aos problemas. Isso porque, ela é a responsável por fazer com que eles problematizem a situação e busquem maneiras de entregar ao consumidor uma solução realmente eficaz.

Estão sempre em busca de novos conhecimentos

Nos dias de hoje, parar de aprender é uma atitude que não cabe na vida do empreendedor. O mundo muda tão rápido, as tecnologias, ferramentas e estratégias de gestão de empresas estão sempre em adaptação, que ficar preso à conhecimentos adquiridos há muito tempo é uma grande falha.

Assim, o que se percebe é que empresários bem-sucedidos nunca param de aperfeiçoar seus conhecimentos. E isso acontece de várias maneiras: cursos, pós-graduações, participação em Feiras e Seminários, networking e leitura de artigos, jornais e blogs referentes ao universo empresarial.

Afinal, como incorporar o empreendedorismo e identificar as oportunidades nos problemas?

Agora que você já sabe quais as principais características de um bom empresário, chegou o momento de aprender a incorporar o espírito empreendedor e, assim, passar a enxergar soluções quando todos só conseguem vislumbrar um problema.

Para isso, separamos algumas preciosas dicas que, se seguidas com dedicação, farão de você um empreendedor de sucesso. Preparado? Então, acompanhe!

1. Aprenda a ouvir as pessoas

Conforme dito anteriormente, os verdadeiros empreendedores são pessoas curiosas. A curiosidade é uma característica bem interessante, pois nos torna pessoas mais atentas e focadas em detalhes.

Desse modo, como primeira providência, comece a ouvir mais as pessoas ao seu redor. Tal exercício deve ser constante: na fila da padaria, no supermercado, em casa, no trabalho, no caminho para casa, enfim, observe e ouça com atenção as queixas e expectativas das pessoas.

Na maioria das vezes, a correria do dia a dia faz com que não prestemos atenção em pequenos detalhes de nosso cotidiano e até mesmo algo que nos incomoda e afeta é tão automático que sequer percebemos.

Dê valor a uma boa conversa e esteja atento às queixas e observações que as pessoas fazem. Afinal, o segredo do seu negócio pode ser encontrado em uma simples conversa.

2. Procure identificar as falhas fundamentais do mercado

Nossa segunda dica, depende muito da primeira. Isso porque, a melhor maneira de identificar uma falha no mercado é ouvindo os consumidores.

Entenda que a essência do empreendedorismo é justamente identificar as principais falhas existentes no mercado. Aquilo que torna o dia a dia dos consumidores menos eficiente e confortável.

Quer um exemplo? Há muito tempo atrás, quando precisávamos registrar um momento, tínhamos que recorrer à uma máquina fotográfica. No entanto, nem sempre estávamos com uma por perto. O que o mercado pedia? Algo que fosse inovador, uma forma simples, rápida e eficiente de tirar fotos a qualquer hora e lugar. E assim as câmeras começaram a ser integradas aos celulares, companheiro inseparável do homem moderno.

3. Busque inovar naquilo que realmente gerará impacto na vida das pessoas

Essa é outra dica muito importante. Afinal, não basta ouvir as pessoas, identificar a falha e trazer uma inovação pouco prática na solução do problema. É preciso pensar muito além e lançar algo que realmente gere impacto na vida dos consumidores.

No caso apresentado acima, as empresas poderiam ter lançados câmeras digitais menores e mais leves que coubessem em uma bolsa sem ocupar muito espaço. Mas, foi a câmera digital no celular que realmente gerou impacto e revolucionou a forma com que registramos nossos momentos.

Ou seja, diante de um problema você encontrará diversas soluções. No entanto, é preciso focar e se dedicar àquela que melhor se adequa à situação e que impactará o mercado com mais expressão. Por isso, pense no que será mais útil e eficaz.

4. Observe em que as demais empresas do mercado estão falhando

Para identificar oportunidades em meio a problemas, também é importante manter-se atento às falhas de seus concorrentes. Observar como as demais empresas se comportam diante da adversidade é uma excelente maneira de se evitar cometer os mesmos erros.

Ora, se a solução proposta por um concorrente não foi suficiente para solucionar a demanda do cliente, fica claro que você deve procurar entregar algo diferente, algo além do que já foi proposto.

Não basta copiar um modelo de negócio que já existe — o consumidor moderno não busca cópias e valoriza o inovador. Por isso, pense “fora da caixa” e observe as principais falhas existentes nos projetos das demais empresas, tentando aperfeiçoá-los.

5. Foque em soluções e não no problema

Pode parecer bobagem, mas em diversas situações, principalmente quando precisamos lidar com problemas, temos a tendência de focar no problema, deixando de lado a busca por soluções. Abandone esse hábito e procure se portar como uma pessoa inteligente.

Procure conhecer e entender o problema e suas causas e, a partir disso, focar em soluções. Esqueça os prejuízos que ele possa estar causando e comece a vislumbrar as oportunidades que podem estar sendo geradas.

A crise econômica e financeira pela qual nosso país atravessa é um ótimo exemplo de como isso funciona. De modo geral, ela afetou todos os setores da sociedade — de trabalhadores à classe empresária —, mas aqueles que pararam de lamentar os prejuízos e dificuldades e começaram a agir para superar esse momento conseguiram sobreviver a essa fase.

Desse modo, se a crise diminuiu o poder aquisitivo do consumidor, fica claro que o empresário precisa estar atento a isso e procurar maneiras de proporcionar a compra, com promoções, programas de fidelização ou com o lançamento de um novo produto mais adequado à essa nova realidade.

6. Acredite no potencial de sua ideia

Nem sempre a sua ideia será aceita de maneira rápida e impactante. Na maioria das vezes, aproveitar uma oportunidade e apresentar uma solução inovadora para um problema é um exercício que exige trabalho, persistência e uma boa dose de otimismo.

Aliás, já dissemos aqui que um empreendedorismo é feito de pessoas otimistas que não desistem facilmente de seus objetivos. Portanto, se você acha que encontrou uma oportunidade real de negócio, aposte nisso! Não abandone sua ideia com facilidade e dê tempo para que o consumidor a conheça e veja o quanto ela pode ajudá-lo.

Obviamente, para que isso aconteça você deve investir em marketing e divulgação, pois ficar esperando que descubram a sua grande ideia não é uma atitude inteligente e pode impedir que você aproveite essa oportunidade.

Como você percebeu, o empreendedorismo faz do indivíduo uma pessoa inteligente e capaz de enxergar oportunidades em situações que a maioria só vê o problema. Ser um empreendedor de sucesso é ter uma ideia inovadora e apostar todas as suas fichas nela, assumir o risco e colocá-la em prática. Dessa maneira, quem deseja abrir uma empresa e entrar para esse universo, deve começar a entender que a palavra impossível ganhará um novo significado!

Fonte: saiadolugar.com.br

JLL

Contabilidade em Salvador